Evangelho da Quinta-feira depois da Epifania



Padre José Luiz Nascibem - Paróquia São Benedito

Evangelho - Lc 4,14-22a
Naquele tempo: Jesus voltou para a Galiléia, com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a redondeza. Ele ensinava nas suas sinagogas e todos o elogiavam. E veio à cidade de Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado, e levantou-se para fazer a leitura. Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: 'O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor.' Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante, e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. Então começou a dizer-lhes: 'Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir.' Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca.
Palavra da Salvação.

Leitura: o que o texto diz.
O texto de hoje se situa no Evangelho de Lucas, após o batismo de Jesus, sua retirada e tentação no deserto. É o início de sua atividade de Jesus na Galileia depois de vencer a tentação do deserto. Toda a atividade de Jesus na Galileia compreende de Lc 4,14 a 9,50.
Onde se passa a narrativa? O que Jesus fazia na Galileia? Que local preferia para atuar? Qual a reação do povo que o ouvia?
O que Jesus faz num dia de sábado, como descrito pelo narrador? Onde está, e o que faz? O que leu? Depois da leitura, o que fez? O que disse depois da leitura? Qual a reação dos ouvintes?

Meditação: O que o texto me diz.
O texto é rico de detalhes. Mas ele causa uma impressão. Chama a atenção uma frase, uma ou mais atitudes, uma palavra, uma reação, um comentário do narrador.
Deixo me levar pela impressão que o texto me causou. O que mais me impressionou? Por que? Há alguma razão especial por essa impressão?

Oração. O que digo a Deus
É momento de responder ao que o Deus me disse através do texto. É hora de falar com Ele de modo íntimo, aberto, tudo que vai no meu coração. Abrir-me com Deus de forma espontânea é um meio de aumentar minha intimidade com Ele. E intimidade gera mais conhecimento, mais confiança, calor espiritual.

Contemplação. O que Deus faz em mim.
A palavra de Deus nos revela quem Ele é. Ela age em mim. Me transforma, agindo em meu coração, sentimentos, pensamento, vontade. Se ela me transformar a minha vontade vai, aos poucos se aproximando da vontade de Deus.
Deixo Deus passear no meu silêncio. E, agir para transformar-me segundo o seu Espírito Santo, em minha memória, meu sentimento, minha vontade, meu ser.
Fico em silêncio o tempo que desejar e deixo minha contemplação de Deus caminhar livre dentro de mim.

Ação. O que o texto me chama a agir, me comprometer.
A palavra de Deus só tem sentido quando agindo em mim, me faz um novo homem como diz Paulo. Mas ser um novo homem é não só crer, é viver como tal. É não deixar criar em mim uma distância entre o que digo crer e o que vivo. Preciso que minha fé e minha vida sejam coerentes, vivam uma unidade.
Agora me dedico a pensar, refletir sobre o que esse texto, sua leitura, meditação, oração, contemplação me chamam a agir no concreto de minha vida. O que me chama a agir na minha fé, na vida comunitária de fé, na vida familiar, profissional, social, na minha vida como um todo?

Fonte: catolicoorante