31 de julho, Memória de Santo Inácio de Loyola



Padre José Luiz Nascibem - Paróquia São Benedito

Sexta-feira da XVII Semana do Tempo Comum

Evangelho: Mt 13,54-58
Naquele tempo: Dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados. E diziam: "De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?"
E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: "Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!" E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.
Palavra da Salvação.

Leitura: O que o texto diz
Mateus nos traz mais um ensinamento na pregação de Jesus na sinagoga em Jerusalém. Após algumas parábolas, hoje Jesus fala para nós sobre os pré-julgamentos que fazemos aos outros, seja pela aparência, pela cultura, pelo lugar ou família de origem, pelas condições financeiras e intelectuais, etc. Ele foi julgado por ser filho de carpinteiro e duvidaram que alguém tão simples e próximo deles, pudesse ter tanta sabedoria e realizar milagres. Muitas vezes nos precipitamos e não vemos a essência das pessoas, como aconteceu com Jesus, desprezado em sua própria pátria, por aqueles que se acham fiéis, mas cheios de incredulidade. Em nossa igreja doméstica muitas vezes isso acontece. Uma vez que nos falta humildade e fé, não cremos que Deus utiliza como instrumento, os que estão bem ao nosso lado, para nos dar conselhos e orientações. Esquecemos de que nossa capacidade é graça de Deus, e não mérito. Ele nos fala através de gestos de outros, palavras, acontecimentos, porém, de corações fechados, perdemos a chance de progredir espiritualmente. Jesus tinha mensagem de salvação e quantas pessoas não o ouviram. Não se abatendo, apenas continuou sua missão anunciando nos lugares onde encontrasse corações mais abertos.

Meditação: O que o texto me diz
Inspire-se na palavra de hoje e faça uma conexão com sua vivência. Reviva seu passado e presente até hoje e perceba se a aparência tem sido algo de importância em sua vida e não a essência. Se tem realizado pré-julgamentos sobre as pessoas?! Será que tem rejeitado orientações dos mais experientes inclusive com aqueles de sua própria casa? Jesus convida você para as mudanças necessárias em sua vida. Permita Ele retirar a incredulidade que possa existir em você, depositar fé e valorizar a capacidade dos outros.

Oração: O que o texto me faz dizer
A oração é a forma e o momento em que nos abandonamos em Deus e buscamos direcionamento e palavras de salvação. Entregue seu coração, sua vida, nas mãos do Senhor e seja fiel. Agradeça por este momento e peça para Ele te falar como não julgar as pessoas e ser um profeta em sua igreja doméstica. Que enxergue e sinta a presença de Deus no cotidiano e nas pequenas situações, como também, que não desanime caso seja acusado ou desprezado pelos corações fechados.

Contemplação: O que o texto faz em mim
Leia o texto quantas vezes necessário for, até que esteja sentindo-o íntimo no seu coração. Seja empático e avalie que tipo de ouvinte quer ser, receptivo, ou que rejeita as palavras de alguém tão simples, mas que pode estar sendo instrumento de Deus para a sua vida. Ainda que o receba em seu coração agora, Deus não faz acepção de pessoas e escolheu você para mudar de vida a partir deste momento. Por isso, acolha o seu amor.

Ação: O que o texto me faz agir
Com o amor de Deus acolhido em nossos corações, nos sentimos fomentados a ser profetas e testemunhos de vida na construção desse amor em outros corações. Assim, conseguirá superar todos os desafios que chegarão, com respeito e fidelidade ao Senhor. Ajude na construção de bases fortes e fidedignas do amor de Deus como um soldado do Reino.

Fonte: catolicoorante