Quinta-feira da XVII Semana do Tempo Comum



Padre José Luiz Nascibem - Paróquia São Benedito

Evangelho: Mt 13,47-53
Naquele tempo, disse Jesus à multidão: "O Reino dos Céus é ainda como uma rede lançada ao mar e que apanha peixes de todo tipo. Quando está cheia, os pescadores puxam a rede para a praia, sentam-se e recolhem os peixes bons em cestos e jogam fora os que não prestam. Assim acontecerá no fim dos tempos: os anjos virão para separar os homens maus dos que são justos, e lançarão os maus na fornalha de fogo. E ai, haverá choro e ranger de dentes. Compreendestes tudo isso?"
Eles responderam: "Sim." Então Jesus acrescentou: "Assim, pois, todo mestre da Lei, que se torna discípulo do Reino dos Céus, é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas." Quando Jesus terminou de contar essas parábolas, partiu dali.
Palavra da Salvação.

Leitura: O que o texto me diz
Relembrando a parábola da rede, o evangelista Mateus repassa os ensinamentos de Jesus, na qual relaciona situações do Antigo com o Novo Testamento, procurando revogar o messianismo davídico de glória e poder, bem diferente da proposta de Jesus. De forma radical, a parábola descreve o juízo final com o julgamento do Deus do Antigo Testamento, que virá exterminar os inimigos do povo eleito, e os purificados, elevados à glória e poder das nações. Porém, Jesus vem trazer a revelação do Deus de amor e de misericórdia. Ora, uma vez que nossos julgamentos não advém do mundo, e sim, do reconhecimento pleno de Deus, que acolhe todos e o seu chamado é universal. Além de que, tudo transforma com a abertura dos corações e o desejo de querer ser melhor, afinal, ele quer que todos sejam bons peixes. É óbvio que seguir seus ensinamentos depende do livre arbítrio de cada um, mas a salvação está nas mãos de Deus. Não restam dúvidas de que, há a necessidade da sabedoria e discernimento para que recebamos o novo sem se desfazer do antigo, e nem rejeitar o novo por causa do velho. Com a chegada de Jesus não podemos viver o legalismo e sim, o mandamento do amor. Sábio é aquele que é capaz de encontrar as novas coisas e não descartar as velhas, pois vê nas duas o tesouro do discípulo.

Meditação: O que o texto me diz
Através dos ensinamentos de Jesus hoje, medite sobre o que é ser um bom peixe. Se você está preparado para o juízo final, sem esquecer que a misericórdia de Deus é maior. Será que está rejeitando o novo por causa do antigo e não consegue aceitar o novo sem se desfazer do velho? Jesus está aqui, abra-se à nova lei de Jesus e se esforce para discernir a importância do velho e o novo se relacionarem.

Oração: O que o texto me faz dizer
Conversar com Deus é o caminho para recebermos suas orientações, e momento do nosso coração ser tocado naquilo que precisa ser melhorado. Peça a Deus para falar ao seu coração caso sua liberdade não tenha sido bem utilizada até hoje; Deixe que Ele direcione você a ser uma pessoa melhor a cada dia e instrua você como entender melhor a lei do amor. Confie em sua misericórdia. Ele é fiel e não vai te desamparar, uma vez que, se trata do ato em que vem ao nosso encontro, nos cura, e assim, nos une a Ele.

Contemplação: O que o texto faz em mim
Após a leitura do texto estar bem explorada, deixe as mensagens falarem profundamente ao seu coração. Se não tem buscado ser um bom peixe, ou se tem vivido como um doutor da lei sem abrir a porta para Jesus fazer uma releitura de tudo, faça isso agora, pois ele te dará paz, serenidade e alegria, fonte de sua misericórdia.

Ação: O que o texto me faz agir
Recebermos a misericórdia de Deus é uma grande graça que nos une a ele, e isso traz esperança para toda vida. Um ser humano perdoado e curado, sente o desejo de perdoar também e faz o irmão se sentir na graça de Deus. Seja um pai ou uma mãe de família que recebe as coisas novas e permanecem as velhas sem criar paradigmas, e que, de uma forma mais atual e com sabedoria, levará Cristo a outras famílias como sendo o caminho, a verdade e a vida.

Fonte: catolicoorante