MENSAGEM DO SANTO PADRE FRANCISCO PARA O 54º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES



"Para que você possa contar e consertar na memória" (Ex 10,2). A vida se torna história.

Desejo dedicar a Mensagem deste ano ao tema da narrativa, porque acredito que, para não se perder, precisamos respirar a verdade das boas histórias: histórias que constroem, não destroem; histórias que ajudam a encontrar as raízes e a força para avançar juntos. Na confusão das vozes e mensagens que nos cercam, precisamos de uma narrativa humana, que nos fale sobre nós e a beleza que vive lá. Uma narração que sabe ver o mundo e os eventos com ternura; isso diz que somos parte de um tecido vivo; isso revela o entrelaçamento dos fios com os quais estamos conectados.

1. Histórias de tecer

O homem é um ser narrativo. Desde a infância, temos fome de histórias, assim como de comida. Seja na forma de contos de fadas, romances, filmes, músicas, notícias ..., as histórias influenciam nossa vida, mesmo que não tenhamos consciência disso. Muitas vezes decidimos o que é certo ou errado com base nos personagens e histórias que assimilamos. As histórias nos marcam, moldam nossas crenças e comportamentos, elas podem nos ajudar a entender e dizer quem somos.

O homem não é apenas o único ser que precisa de roupas para cobrir sua vulnerabilidade (cf. Gn 3:21), mas também é o único que precisa contar a si mesmo, para "contar" histórias para se manter vida. Não tecemos apenas roupas, mas também histórias: de fato, a capacidade humana de "tecer" leva a tecidos e textos. As histórias de todos os tempos têm um "quadro" comum: a estrutura inclui "heróis", mesmo diários, que, para perseguir um sonho, enfrentam situações difíceis, combatem o mal impulsionado por uma força que os torna corajosos, o amor. Mergulhando nas histórias, podemos encontrar motivações heroicas para enfrentar os desafios da vida.

O homem é um ser narrativo porque é um ser em progresso, que se descobre e se enriquece nas tramas de seus dias. Mas, desde o início, nossa história está ameaçada: na história, ventos malignos.

2. Nem todas as histórias são boas

"Se você comer, você se tornará como Deus" (cf. Gn 3: 4): a tentação da cobra insere um nó duro para desatar a trama da história. "Se você possui, você se tornará, alcançará ...", aqueles que usam a narrativa ainda sussurram hoje para fins instrumentais. Quantas histórias nos narcotizam, convencendo-nos de que para ser feliz precisamos continuamente ter, possuir e consumir. Mal notamos o quão gananciosos nos tornamos com fofocas e fofocas, quanta violência e falsidade nós consumimos. Frequentemente, nos quadros da comunicação, em vez de histórias construtivas, que são uma cola de laços sociais e do tecido cultural, são produzidas histórias destrutivas e provocativas, que desgastam e quebram os frágeis fios da coexistência. Reunindo informações não verificadas, repetindo discursos banais e falsamente persuasivos, marcando proclamações de ódio, a história humana não é tecida, mas o homem digno é despido.

Mas, embora as histórias usadas para fins instrumentais e de poder tenham vida curta, uma boa história é capaz de atravessar as fronteiras do espaço e do tempo. Séculos depois, permanece atual, porque nutre a vida.

Em uma época em que a falsificação se mostra cada vez mais sofisticada, atingindo níveis exponenciais (deepfake), precisamos de sabedoria para acolher e criar histórias bonitas, verdadeiras e boas. Precisamos de coragem para repelir os falsos e maus. Precisamos de paciência e discernimento para redescobrir histórias que nos ajudam a não perder o fio entre as muitas lacerações de hoje; histórias que trazem à luz a verdade de quem somos, mesmo no heroísmo ignorado da vida cotidiana.

3. A história das histórias

A Escritura Sagrada é uma história de histórias. Quantos eventos, povos, pessoas nos apresentam! Desde o início, ele nos mostra um Deus que é criador e, ao mesmo tempo, narrador. De fato, ele pronuncia sua Palavra e as coisas existem (cf. Gn 1). Através de sua narração, Deus chama as coisas à vida e, no auge, cria o homem e a mulher como seus interlocutores livres, geradores da história juntamente com Ele. Em um Salmo, a criatura diz ao Criador: «Foi você quem formou meus rins e você me tecidos no peito de minha mãe. Agradeço: você me fez uma maravilha maravilhosa [...]. Meus ossos não estavam escondidos de você quando fui formado em segredo, bordado nas profundezas da terra "(139,13-15). Não nascemos completos, mas precisamos ser constantemente "tecidos" e "bordados". A vida nos foi dada como um convite para continuar tecendo aquela "maravilha maravilhosa" que somos.

Nesse sentido, a Bíblia é a grande história de amor entre Deus e a humanidade. No centro está Jesus: sua história traz à tona o amor de Deus pelo homem e, ao mesmo tempo, a história de amor do homem por Deus. O homem será chamado, de geração em geração, a conte e conserte na memória os episódios mais significativos dessa história, aqueles capazes de comunicar o significado do que aconteceu.

O título desta mensagem é retirado do livro de Êxodo, uma história bíblica fundamental que vê Deus intervir na história de seu povo. De fato, quando os filhos escravizados de Israel clamam por Ele, Deus ouve e se lembra: «Deus lembrou-se de sua aliança com Abraão, Isaac e Jacó. Deus olhou para a condição dos israelitas, Deus pensou sobre isso "(Ex 2,24-25). Da memória de Deus nasce a libertação da opressão, que ocorre através de sinais e maravilhas. É nesse ponto que o Senhor dá a Moisés o significado de todos esses sinais: " para que você possa recontar e fixar na memória do seu filho e do filho do filho os sinais que eu fiz: para que você saiba que eu sou o Senhor!" (Por exemplo,10.2) A experiência do êxodo nos ensina que o conhecimento de Deus é transmitido acima de tudo, dizendo, de geração em geração, como Ele continua a se fazer presente. O Deus da vida é comunicado falando sobre a vida.

O próprio Jesus falou de Deus não com discursos abstratos, mas com parábolas, narrações curtas, extraídas da vida cotidiana. Aqui a vida se torna história e, então, para o ouvinte, a história se torna vida: essa narração entra na vida de quem a ouve e a transforma.

Até os Evangelhos, sem surpresa, são histórias. Enquanto eles nos informam sobre Jesus, eles "nos apresentam" [1] a Jesus, eles nos conformam a Ele: o Evangelho pede que o leitor participe da mesma fé para compartilhar a mesma vida. O Evangelho de João nos diz que o Narrador por excelência - o Verbo, o Verbo - se fez narrativo: "O Filho unigênito, que é Deus e está no seio do Pai, é quem lhe disse " (Jo 1:18).) Eu usei o termo "dito" porque o exeghésato original pode ser traduzido tanto "revelado" quanto "dito". Deus se entrelaçou pessoalmente em nossa humanidade, dando-nos uma nova maneira de tecer nossas histórias.

4. Uma história que é renovada

A história de Cristo não é uma herança do passado, é a nossa história, sempre atual. Isso nos mostra que Deus levou o homem, nossa carne, nossa história ao coração, a ponto de se tornar homem, carne e história. Também nos diz que não há histórias humanas mesquinhas ou pequenas. Depois que Deus fez história, toda história humana é, em certo sentido, história divina. Na história de todo homem, o Pai revisa a história de seu Filho que desceu à terra. Toda história humana tem uma dignidade irreprimível. Portanto, a humanidade merece histórias que estão em seu auge, naquela altura vertiginosa e fascinante para a qual Jesus a elevou.

"Você - escreveu São Paulo - é uma carta de Cristo escrita não a tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de corações humanos" (2 Cor 3: 3). O Espírito Santo, o amor de Deus, escreve em nós. E, escrevendo nele, ele fixa o bem em nós, ele nos lembra disso. De fato, regravar significa trazer ao coração, "escrever" no coração. Pela obra do Espírito Santo, toda história, mesmo a mais esquecida, mesmo a que parece escrita nas linhas mais tortas, pode se inspirar, pode renascer como uma obra-prima, se tornando um apêndice do Evangelho. Como as confissões de Agostinho. Como o conto do peregrino de Inácio. Como a história de uma alma de Teresinha do Menino Jesus. Como os noivos, como os irmãos Karamazov. Como inúmeras outras histórias, que admiravelmente roteirizaram o encontro entre a liberdade de Deus e a do homem. Cada um de nós conhece histórias diferentes que cheiram ao Evangelho, que testemunharam o amor que transforma a vida. Essas histórias exigem ser compartilhadas, contadas, vividas o tempo todo, em todos os idiomas, em todos os meios.

5. Uma história que nos renova

Em toda grande história, nossa história entra em jogo. Ao lermos as Escrituras, as histórias dos santos e até mesmo os textos que foram capazes de ler a alma do homem e trazer à luz sua beleza, o Espírito Santo é livre para escrever em nossos corações, renovando em nós a memória do que estamos aos olhos de Deus. Quando nos lembramos do amor que nos criou e nos salvou, quando introduzimos amor em nossas histórias diárias, quando tecemos os enredos de nossos dias com misericórdia, então viramos a página. Não ficamos mais presos a arrependimentos e tristezas, ligados a uma memória doentia que aprisiona nossos corações, mas, ao nos abrirmos para os outros, nos abrimos para a própria visão do Narrador. Contar nossa história a Deus nunca é inútil: mesmo que a crônica dos eventos permaneça inalterada, o sentido e a perspectiva mudam. Dizer ao Senhor é entrar em seu olhar de amor compassivo por nós e pelos outros. Podemos contar a ele as histórias que vivemos, trazer pessoas, confiar situações. Com ele, podemos amarrar o tecido da vida, reparando as lágrimas e as lágrimas. Quanto precisamos, pessoal!

Com o olhar do Narrador - o único que tem o ponto de vista final -, abordamos os protagonistas, nossos irmãos e irmãs, atores próximos a nós na história de hoje. Sim, porque ninguém aparece no cenário mundial e a história de todos está aberta a uma possível mudança. Mesmo quando falamos sobre o mal, podemos aprender a deixar espaço para a redenção, também podemos reconhecer o dinamismo do bem no meio do mal e dar-lhe espaço.

Portanto, não se trata de seguir a lógica de contar histórias , nem de fazer ou anunciar a si mesmo, mas de lembrar o que somos aos olhos de Deus, de testemunhar o que o Espírito escreve em nossos corações, de revelar a todos que sua história contém maravilhas maravilhosas. Para fazer isso, confiamos-nos a uma mulher que teceu a humanidade de Deus em seu ventre e, diz o Evangelho, juntou tudo o que lhe aconteceu. De fato, a Virgem Maria guardou tudo, meditando em seu coração (cf. Lc 2, 19). Pedimos ajuda a ela, que conseguiu desatar os nós da vida com a leve força do amor:

Ó Maria, mulher e mãe, você teceu a Palavra divina no seu ventre, narrou com a sua vida as magníficas obras de Deus: ouça nossas histórias, guarde-as em seu coração e faça a sua também aquelas que ninguém quer ouvir. Ensine-nos a reconhecer o bom fio que guia a história. Veja a pilha de nós em que nossa vida se enredou, paralisando nossa memória. Das suas mãos delicadas, todos os nós podem ser desamarrados. A Mulher do Espírito, mãe de confiança, também nos inspira. Ajude-nos a construir histórias de paz, histórias do futuro. E mostre-nos o caminho para caminhar juntos.

Roma, em San Giovanni in Laterano, 24 de janeiro de 2020, Memória de San Francesco di Sales

Franciscus

[1] Ver Bento XVI, Enc. Spe salvi , 2: "A mensagem cristã não era apenas" informativa ", mas" performativa ". Isto significa: o Evangelho não é apenas uma comunicação de coisas que podem ser conhecidas, mas é uma comunicação que produz fatos e muda a vida ".

© Copyright - Casa do Vaticano