26 de janeiro, Memória de São Timóteo e São Tito, bispos

Diácono José Carlos Pascoal - Paróquia São Benedito de Salto (SP)
Diocese de Jundiaí (SP)

A Igreja celebra no dia 26 de janeiro a memória de dois importantes discípulos de São Paulo Apóstolo. Dois jovens exemplares, obedientes, discretos, corajosos. Um, Timóteo, convertido do judaísmo, um dos primeiros a se converter ao Evangelho de Cristo pregado por Paulo. Outro, Tito, convertido do paganismo.
Timóteo foi companheiro do Apóstolo na sua segunda viagem, o acompanhando em suas visitas a Filipo, Tessalônica, Atenas, Corinto, Éfeso no ano 50. Recebeu duas cartas de Paulo: a primeira, entre 63 e 66, quando era bispo de Éfeso; a segunda, quando foi convidado a visitar Paulo em Roma, no cárcere, quando assistiu ao martírio do Apóstolo dos gentios.
Uma das qualidades de Timóteo, educado na religião judaica pela mãe, Eunice, e pela avó, Lóide, era o grande amor pelas Sagradas Escrituras. Foi muito importante para facilitar o contato de Paulo com as comunidades cristãs, por ser muito querido por todos.
Por ser muito jovem, recebeu muitos ensinamentos e conselhos do Apóstolo, não só quando em viagem apostólica, mas também através das duas cartas. Na primeira carta, exorta Timóteo a “combater o bom combate”, a ter o compromisso com “a oração litúrgica”, sobre o melhor comportamento “de homens e mulheres na assembleia de culto”. Dedica especial atenção ao ministério de Timóteo como Bispo e dedica parte do capítulo 3 (8-13) sobre os diáconos e a dignidade ministerial quanto à família, à comunidade, à Igreja. No capítulo 4 (12-16), confia no impulso juvenil de Timóteo, mas exige cuidados. Importante a frase “ninguém te despreze por seres jovem. Muito pelo contrário, sê para os fiéis modelo nas palavras, no comportamento, no amor, na fé, na pureza”. Isso é essencial para os jovens de
hoje. A segunda carta é toda ela despedida, exortação à plenitude ministério apostólico e amor às Escrituras.
Tito acompanhou Paulo em sua terceira viagem apostólica, e o ajudou a escrever uma das cartas aos Coríntios. Mas era um grande colaborador desde o ano 49, em Jerusalém. A Tito, Paulo exorta para a atenção não apenas litúrgica, já que fez dele o responsável pela Comunidade de Creta, recém fundada, mas percebe-se uma preocupação espiritual e social. Paulo considera os cretenses como um povo difícil, mas demonstra uma preocupação paterna para com todos. Os cuidados com os idosos, jovens e escravos, a pertença do povo a Jesus pelo Evangelho e a obrigação dos fiéis, formam o corpo da carta a Tito.
Tito é chamado pelo Apóstolo de “meu filho”, pois foi o responsável pela sua
conversão e batismo. Sua saudação demonstra o apreço, amor e cuidado para com Tito: “Meu verdadeiro filho na fé que nos é comum, graça e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Salvador”. A carta é um verdadeiro testemunho da Igreja Apostólica.
Nós, os diáconos, devemos aprender e vivenciar em nossos ministérios, as recomendações do Apóstolo aos seus jovens colaboradores. Em especial, sobre a pertença. “Pois tomou-se manifesta a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. Ela nos ensina a renunciar à impiedade e aos desejos mundanos, para vivermos no tempo presente com moderação, justiça e piedade (2,11-12). “Assim é que deves falar, exortar e apreender com plena autoridade. Que ninguém te
menospreze” (15).
São muitas as pistas de vida ministerial que as cartas a Timóteo e Tito nos apresentam para viver intensamente o Evangelho, para testemunhar com a vida e para ter com as comunidades um extremado carinho e atenção. O poder é dado para o serviço e não para a opressão. É necessário em nossa missão o exercício da autoridade, mas que seja exercido com e por amor. Nossa missão diaconal é árdua, mas compensadora. Aproveitemos, pois, para reler com atenção as cartas de Paulo Apóstolo à Timóteo e Tito. Sempre é tempo de aprender, “tirar do baú coisas velhas e coisas novas”.
Que por intercessão de São Timóteo e São Tito,
sejamos verdadeiros anunciadores do Reino, testemunhas do Evangelho e sinais fortes da Caridade de Cristo. Amém.