PRESERVANDO A SAÚDE MENTAL EM TEMPOS DE PANDEMIA

Aparecido Alcântara¹

Quero te convidar a refletir sobre um tema do qual muito se tem falado nos últimos tempos, que é o desenvolvimento da saúde mental como importante instrumento para conseguirmos dar conta das demandas que nossa existência nos coloca. Embora esse assunto não seja novidade, ele ganhou ainda mais importância diante da atual situação que tomou de assalto o nosso planeta. Isso porque a pandemia pode ter trazido à tona medos e incertezas que de alguma maneira estavam escondidos em nosso interior, ou que estavam silenciados pelos diversos ruídos que eram produzidos por aquilo que chamávamos de vida normal. Isso porque as demandas cotidianas nos fazem correr de um lado para outro, mesmo que a maioria de nós desconheça para onde tamanha correria está nos conduzindo.

De repente fez-se o silêncio, nos recolhemos em nossas casas, tivemos que forçosamente abandonar os contatos sociais e conviver de maneira mais íntima com nossos familiares e conosco mesmo. Atrelado a esse fator, fomos bombardeados com notícias de múltiplas calamidades, as quais nos prenunciavam o perigo da morte iminente, aumentando ainda mais o assombro e incertezas diante da vida, seu valor e sua continuidade. Em situações assim, quando somos convidados a visitar nosso interior, ponderando sobre a essência da vida, somos colocados diante da nossa fragilidade e da certeza de que talvez não tenhamos pleno controle sobre os eventos que nos sucedem como erroneamente pensamos. Sobrevém-nos daí angústias, ansiedade, depressão, as quais associadas a outros fatores preexistentes podem conduzir o indivíduo a uma situação de extremo desespero e desesperança, potencializando assim o seu sofrimento e o descrédito diante do valor da vida. Diante disso o debate sobre a importância da saúde mental e o espaço que ela deve ocupar em nossa vida ganha maior destaque, nos fazendo voltar a atenção para a busca de instrumentos que nos facilitem restituir ou preservar o nosso bem-estar emocional. Dentre as várias possibilidades de tratamento também se encontra a terapia através da Psicanálise ou da Filosofia Clínica, as quais utilizo em atendimento aos meus pacientes. Elas são importantes aliadas em nossa busca por equilíbrio mental, através da expansão do nosso nível de consciência, o que nos permite reações e tomada de decisões salutares diante dos muitos desafios que a existência nos apresenta.

Abaixo descrevo um pouco das suas características:
- Psicanálise: procedimento terapêutico desenvolvido por Freud, cuja abordagem pode apresentar resultados eficientes para o alívio de sofrimentos psíquicos, como angústia, compulsão, depressão, ansiedade, fobias, alteração no humor, dificuldade de relacionamentos na vida pessoal ou profissional. Além disso pode ser útil para a resolução de questões relacionadas à busca do indivíduo por um sentido e seu lugar no mundo e na vida. Identificar a causa do sofrimento permite àquele que sofre desenvolver estratégias que lhe capacitem a atuar de maneira proativa diante do problema que está enfrentando.
- Filosofia Clínica: desenvolvida pelo filósofo e psiquiatra Lúcio Packter, tem como base o pensamento filosófico praticado há milhares de anos. Tomando como ponto de partida a historicidade do partilhante e a sua Estrutura de Pensamento, ela pretende ajudá-lo na busca por compreender e solucionar seus problemas interiores, possíveis causadores das dificuldades que ele pode enfrentar em contato com o mundo exterior. Nesse sentido ela se utiliza da percepção que o indivíduo tem de si mesmo, do mundo que o cerca e todos os demais elementos que fazem parte da sua vida passada e presente, no sentido de auxiliá-lo a se encontrar existencialmente.

¹ Psicanalista e Filósofo Clínico.
Contato: aparecido.alcantara@hotmail.com.br / (11) 99545-9007