Opinião

Aparecida Dalla Vecchia - PasCom São Benedito

Maio, Mês de Maria, Mês das flores, Mês das Mães, Mês das noivas. Estamos no Tempo Pascal. Desta vez, celebrando a ressurreição de Cristo de uma forma muito inusitada para os católicos. Não houve os encontros e as celebrações comunitárias, no entanto Cristo ressuscitou, verdadeiramente ressuscitou e assim sempre será.
Observando a maneira como Deus fez com que seu Filho chegasse entre nós, é como se os anjos estivessem proclamando: - “homens de pouca fé, o que buscam no céu, se Ele está aqui, continua vivendo entre nós...”. O Pai, tem um amor imenso pela humanidade. Inicialmente chega até nós por meio de uma mulher, que ainda nem casada era (oh! escândalo). O noivo, José, da Casa de Davi, amorosamente foi informado por Deus, que deveria fazer parte dessa história e, assim o fez. Assumindo Jesus integralmente como se filho dele fosse. Nosso Deus é um Deus que quebra os grilhões, rompe as barreiras, derruba os poderosos e exalta os humildes. É um Deus que não rompe as alianças feita com o homem, sempre oportunizando um meio de resgatar a cada um, pois o seu (Dele) jugo é suave e seu fardo é leve. Sim, leve: quem complica e faz a vida se tornar um “vale de lágrimas”, somos nós, os filhos de Adão. O homem é orgulhoso, vaidoso e prepotente. Não quer ter limites, ainda que seja esse tal limite, essa maturidade, que se insiste em não ter, seja um meio eficaz para que tenhamos vida em abundância. Esse tempo que estamos “obrigatoriamente” tendo que nos adequar às regras, que tem delimitado nossas idas e vindas, nossos abusos com relação a forma com que nos relacionamos com nosso próximo, está se fazendo necessário para que uma nova humanidade posso eclodir.
Os governantes do mundo todo batem a cabeça, para encontrar a fórmula eficaz para vencer o invisível, que provoca estragos por demais visíveis, inclusive fazendo com que se enxerguem o quanto o mundo se corrompeu e em vez de valorar a vida, valoriza o capital. Alguns deixam escandalosamente seu egoísmo e indiferença para com o próximo ou para com os seus governados. Outros usam inadequadamente o nome do Senhor, para ludibriar os crentes, as pessoas de boa fé. Ainda assim, os cristãos devem protagonizar os ensinamentos do Pai, por meio de Jesus, Maria, José e demais pessoas que se colocaram e se colocam a serviço de Deus, levando a todos indistintamente a Boa Nova, o amor do Pai, por cada em de seus filhos. Oxalá, nossos olhos se abram, com se abriram os olhos dos discípulos de Emaús, que nosso coração se abrase, porque Ele vive!
Na Comunidade de São Benedito, orientados pelo Pároco, Padre Marcílio, o Vigário, Padre José Luiz, em comunhão com os Diáconos Antônio, José Carlos e Edison, houve a obediência de direcionarmos as celebrações para nossos lares, com nossa família, enfim a Igreja Doméstica. Os jovens da Paróquia se colocaram em comunhão com as Pastorais Sociais e promoveram a coleta mensal dos mantimentos para compor a cesta básica, para nossos irmãos menos favorecidos, num claro sinal de que o Cristo vive e ressuscitou e quer continuar ressuscitando, vivendo entre nós. Sejamos todos protagonistas da Boa Nova, sejamos empáticos, solidários, generosos, responsáveis, seguindo as regras que nos são passadas pelos órgãos de saúde. Resumindo: #fiqueemcasa. Cuide-se e cuide de seu próximo, isso é ser cristão, isso é amor!
São Benedito e nossa Mãe, Aparecida intercedam por nós!