Agosto: Mês Vocacional por excelência

Diácono José Carlos Pascoal

Agosto é celebrado pela Igreja como Mês Vocacional. São vários os fatores que contribuem para isso. Lógico, se levarmos em conta a caminhada do cristão na Igreja, todo dia, todo mês é vocacional. Todo batizado é chamado à uma vocação, e são várias.

Um dos mitos, que é necessário desconstruir é o de que, ao falarmos em vocação, falamos necessariamente da vocação sacerdotal ou religiosa. Por falta de informações, acabam sendo assumidas como as únicas necessárias na Igreja por muitos cristãos. Basta ouvir a Oração da Comunidade ou a Oração pelas Vocações de muitas paróquias.

A vocação matrimonial precisa ser defendida. É preciso resgatar a família, pois todas as vocações têm origem na família. Os encontros de preparação para o Matrimônio são locais de aprofundamento para descobrir a vocação matrimonial. A experiência de algumas dioceses que promovem encontros de namorados mostra a preocupação com o Sacramento do Matrimônio. Há muitos casais jovens que estão optando em “ficar”, não em celebrar o Sacramento do Matrimônio.

A Vocação Diaconal precisa ser mais difundida pelo testemunho dos diáconos permanentes. É vocação específica de serviço, necessária para a Igreja dos tempos atuais, que é missionária em busca dos afastados da Igreja e dos excluídos da sociedade. Quando orientados para exercer prioritariamente o Ministério da Caridade, dão uma contribuição valiosa à Igreja.

A Vocação Religiosa é uma vocação missionária e de serviço. “Na América Latina e do Caribe, a vida consagrada é chamada a ser uma vida discipular, apaixonada por Jesus - caminho ao Pai misericordioso, e por isso, de caráter profundamente místico e comunitário” (cf. Doc. Ap, 220).

Por fim, a vocação leiga. São muitas as contribuições dos leigos nas comunidades: na Pastoral Litúrgica, nas Pastorais Sociais, na Pastoral Catequética, nas Pastorais de Apoio, nos Movimentos e Associações. Precisam ser incentivados e formados. Há quem não goste de encontros de formação, inclusive no Clero, mas reconheçamos que sem formação permanente não há crescimento. A Igreja, através de seus membros, precisa estar cada vez mais atualizada.

Convém descrever algumas citações do Documento de Aparecida: “Os Bispos, discípulos missionários de Jesus Sumo Sacerdote”; “Os Presbíteros, discípulos missionários de Jesus Bom Pastor”; “os Diáconos permanentes, discípulos missionários de Jesus Servidor”; “Os fiéis leigos, discípulos missionários de Jesus, Luz do Mundo - homens da Igreja no coração do mundo, e homens do mundo no coração da Igreja”; “Os consagrados e as consagradas (religiosos), discípulos missionários de Jesus Testemunha do Pai”.

Portanto, façamos jus ao chamado de Jesus e, como Maria, digamos Sim a Deus. Deus conta conosco para a Missão.