PARÓQUIA EM MOVIMENTO - O TEMPO PASCAL

No decorrer do mês de abril, a Igreja Católica Apostólica Romana viveu com intensidade os mistérios da Vida, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Verbo encarnado, que veio habitar entre os homens para entregar a Boa Nova, ou seja, aquela morte que esteve reinando na humanidade desde a rebeldia de Adão e Eva, por Ele, o Filho do Homem, seria derrotada. E, assim ocorreu.
Eis que Ele faz novas todas as coisas, inclusive demonstra concretamente ao homem, que a humanidade tem jeito, pelo fato de que Deus é misericórdia, graça, amor e não quer em hipótese alguma ver sua principal criatura, aquela única dotada de razão, na morte perene. Deus vai além, muito além: trouxe o Filho, o Cordeiro imolado no lugar da humanidade.
Assim, existe a necessidade de que os cristãos católicos não tenham receio de enxergar a sua verdade. O próprio Papa Francisco, em suas mais diversificadas manifestações tem feito o “mea culpa” pessoal e eclesial. Logo, o pecado da humanidade pode ser individual ou social. Portanto, o tempo é propicio para perceber o quanto se precisa de atitudes de conversão e, sem dúvida, o tempo quaresmal se apresenta com a possibilidade de proporcionar uma experiência mais ousada, podendo-se assim, passar para o protagonismo desde o ambiente familiar, do trabalho, do estudo, lazer e ademais áreas que venha a abranger uma amplitude mais coletiva.
O mundo precisa de cristãos católicos que detenham a coragem de lançar as redes para águas mais profundas, que enxerguem que o Cristo veio mexer com todas as estruturas eivadas de preconceitos, de segregação, de exclusão. Ele veio dar a vida para todos e nunca é demais lembrar que é para todos, indistintamente (não importando raça, credo, ideologia, profissão, grupo familiar, comunidade, pastoral, movimento religioso, entre outros)! Apenas reiterando: O Tempo da Quaresma se foi, a Semana Santa, também! No entanto, o Brasil tem se mostrado um país excludente e preconceituoso e, não deveria, pois aqui muitos imigrantes se aportaram. Por sua vez, a classe política não pratica a fraternidade e não tem contribuído na fomentação de políticas públicas para sua população, que tem dado a “César o que é de César”, por meio dos pesados encargos que são pagos cotidianamente.
A Comunidade Beneditina vivenciou o período quaresmal e Pascal com muita dedicação e empenho, buscando assim, uma vida fraterna e comprometida a serviço dos irmãos que por aqui se achegam. Foi celebrado São José Operário. Acontecerá a Páscoa dos Enfermos, organizada pela Pastoral da Saúde e ainda nesse mês de Maio, haverá a Renovação das Promessas Batismais das crianças da Catequese Familiar, bem como dos jovens da Catequese de Crisma.
Enfim, a Paróquia de São Benedito sempre se coloca a serviço da Boa Nova, concretamente por meio de suas pastorais e movimentos, no entanto se faz necessário lembrar que o Pai dá a cada um o livre arbítrio e, assim, para que possa haver a ressurreição, individual ou coletiva faz-se necessário contar com o protagonismo de cada um. Como será contemplado, não sabemos, pois cada um tem seu tempo, inclusive para cobrar dos governantes pela execução de políticas públicas que possam trazer de volta a toda sociedade brasileira a dignidade de filhos de Deus!
São Benedito, nosso padroeiro e Mãe Aparecida, intercedei pela nação brasileira!

Aparecida Dalla Vecchia – PasCom São Benedito